Menu Fechar

A Divina Liturgia – receber a comunhão

Pergunta: Eu tenho uma pergunta sobre receber a comunhão. Eu sou Católico Romano e eu sei que normalmente não permitimos que não-Católicos recebam comunhão durante os nossos serviços. No entanto, eu vejo no nosso catecismo que existe uma exceção para Cristãos Ortodoxos. A eles também lhes é permitido receber Comunhão em serviços Católicos. É a mesma coisa verdade para Igrejas Ortodoxas? Posso receber a Comunhão se participar num serviço Ortodoxo?

Resposta: Já se passaram vários anos desde que eu li as regulamentações Católicas Romanas sobre admitir Não-Católicos na Eucaristia, mas se me lembro corretamente, as regulamentações Católicas Romanas afirmam que um Cristão Ortodoxo pode receber a Eucaristia numa Igreja Católica Romana por boa causa ou razão, apenas com o acordo mútuo dos Ordinários Católicos Romanos e Ortodoxos, por exemplo, Bispos diocesanos.

A Divina Liturgia – o mistério cristão

Pergunta: Concordarias que a Liturgia revela o que a Ortodoxia realmente é?

Resposta: Sim, claro, a Liturgia é a revelação central do mistério Cristão, e, de certa forma, nela, toda a Ortodoxia é contida, lembrada, e dada para a nossa experiência viva.

Todos os Ícones, as vestes, as velas, o canto… tudo em harmonia e unidade serve para divulgar apenas uma coisa: O homem é feito para Deus e encontra a sua identidade, realização e perfeição nele.

A Divina Liturgia – a natureza da nossa adoração

Pergunta: Porque é que os Cristãos Ortodoxos participam na Divina Liturgia e em outros serviços religiosos da Igreja? Qual é o propósito de tais serviços? É o propósito que tal participação “sentir/receber algo” ou é uma oferta? Foi-me dito que nós vamos á Igreja para nos identificarmos e ajudarmos a preservar a nossa herança Étnica e Histórica, bem como tradições. É isto correto?

Respostas:

Você Escreve: Porque é que os Cristãos Ortodoxos participam na Divina Liturgia e outros serviços religiosos?

Resposta: Nós fazemo-lo para adorar Deus, para entrar em união com ele e com o seu povo através da Eucaristia e outros Mistérios, ou Sacramentos, e para receber força enquanto continuamos no caminho da salvação e da “vida do mundo vindouro.”

A Divina Liturgia

Pergunta: A Divina Liturgia é, obviamente, o centro da vida Ortodoxa?

Resposta: A Divina Liturgia é, de facto, o centro da vida Cristã Ortodoxa. Tal como mencionámos, é o Sacramento dos Sacramentos, ou para usar a expressão Ortodoxa mais tradicional, o “mistério dos mistérios.” A palavra que equivale “Sacramento”, entre os Ortodoxos, é normalmente, “Mistério”.

Padre Pedro Pruteanu – O nome de Deus é Jeová?

Muitas vezes, quando uma “testemunha de Jeová” quer expor a sua doutrina acerca do “nome de Deus”, parte da ideia que cada um de nós tem um nome e gostamos de ser chamados por ele. O nome, de acordo com o entendimento das “testemunhas”, tanto para as pessoas como para Deus, seria a sua característica mais importante e, portanto, não deve ser negligenciado. Admitiríamos, sem reservas, esta premissa, um tanto lógica, se elas não se estivessem a contradizer! Ao lhes perguntarmos quais os nomes dos editores da “sua” Bíblia (a tradução do “Novo Mundo”), elas respondem: ”Somente Deus deve ter um nome, que é Jeová. Para um indivíduo, ter um nome significa difamar a grandeza divina”[1]. Assim, como se pode claramente concluir desta frase, o homem nem sequer deveria tem um nome, para não se poder comparar a Deus e então, o seu pequeno truque para conquistar novos prosélitos não funciona. Ou será que se trata de outro nome? Também isso não está claro, já que, na opinião das “testemunhas”, um nome humano poderia difamar a grandeza divina. Uma coisa é clara: nem mesmo “as testemunhas de Jeová” sabem se “o nome de Deus” pode ser comparado, dalguma forma, ao nome dum indivíduo.

Cristo ressuscitou!

Vigília Pascal (PDF)

Χριστός Ανέστη! Αληθώς Ανέστη!

Hristos a înviat! Adevărat că a înviat!

Христос Воскресе! Воистину Воскресе!

Cristo ressuscitou! Em verdade ressuscitou!

Le Christ est ressuscité! En vérité Il est ressuscité!

Cristo è risorto! È veramente risorto!

Cristo ha resucitado! Verdaderamente, ha resucitado!

ハリストス復活!実に復活!

.םק תמאב ; םק ח׳שמה

Christ is Risen! He is Risen Indeed!

Bispo Kallistos Ware – “Como ler a Bíblia”

Nós acreditamos que as escrituras constituem um território coerente, divinamente inspiradas e humanamente expressadas. Elas outorgam a Deus a revelação de Si Mesmo, na criação, na encarnação no mundo, e em toda a história da salvação. Elas expressam a Palavra de Deus em linguagem humana. Nós sabemos, recebemos e interpretamos as escrituras de acordo com a Igreja e na Igreja. Nossa aproximação da Bíblia é uma forma de obediência.

Podemos distinguir na Igreja Ortodoxa quatro formas de ler as escrituras, denominadas

-Nossa leitura deve ser obediente

-Ela deve ser eclesiástica, junto com a Igreja

-Ela deve ser centrada em Cristo

– Ela deve ser pessoal

Michael Bressem – Por que tantos rituais?

Em resumo, a adoração ortodoxa é ritualística porque:

(1) Deus deseja que nossos ofícios sejam ordenados como um reflexo de Si mesmo;

(2) Nosso Senhor deseja determinar um padrão de adoração para manter a unidade e evitar as divisões;

(3) Os ofícios fazem com que nos disciplinemos a prestar atenção, lembrar e participar, para que nos aperfeiçoemos na fé;

(4) A adoração é feita para ser trabalhosa, exigindo o melhor de nós para honrar a Deus.

Se compararmos aos cultos da maioria das igrejas protestantes e pós-Vaticano II das igrejas Católico-Romanas, o culto da Igreja Ortodoxa parecerá excessivamente formal, complicado e rígido nas suas rúbricas. Por que existem tantos rituais na Igreja Ortodoxa? Por que não há mais espontaneidade, criatividade e liberdade de expressão? Por que o ofício ortodoxo do Domingo – a Divina Liturgia – é essencialmente o mesmo semana após semana, ano após anos, por mais de mil e quinhentos anos? A maioria dos fiéis ortodoxos responderiam “Porque é a nossa Tradição”. Entretanto, entendemos porque é que a nossa Tradição é essa e por que os rituais são tão importantes para a nossa Fé Cristã?

Arquimandrita Vassilios Papavassiliou – Moralidade vs Santidade

No cristianismo ortodoxo, não há “moralidade”. Eu sei que isso choca muitas pessoas, mas o digo por um bom motivo: porque a moralidade não é realmente uma ideia teológica, mas filosófica. A moralidade é normalmente compreendida como um senso de certo e errado, e acho que em certa medida todos o possuem, a despeito de cultura, religião ou época em que vive. Eu não acho que alguém já tenha considerado que o egoísmo ou a covardia sejam coisas boas. As pessoas não acham que seja bom ser horrível com quem foi bom com você, e é assim em qualquer religião que você creia, qualquer época em que viva, qualquer cultura de que participe. Existe um senso comum de certo e errado.

Mas há variações. Alguns diriam que é aceitável se vingar, e outros que não devemos fazê-lo de modo algum. Alguns diriam que um homem deve ter apenas uma esposa, outros diriam que ele pode ter várias. Alguns diriam que a gente deve ser bom com quem é bom connosco, outros diriam que devemos ser bons até com que não é bom connosco.

São Porphyrios – Melancolia, Tristeza e Ansiedade. Terapia Espiritual Ortodoxa

O ponto crucial é entrarmos para a Igreja – nos unirmos aos nossos irmãos, às alegrias e tristezas de todos, sentir suas circunstâncias como se fossem as nossas, orar por todos, nos doermos pela salvação deles, esquecermos de nós mesmos, fazermos tudo pelos outros, como Cristo fez por nós. Na Igreja nos tornamos um com cada pessoa triste, com cada sofredor, com cada pecador. Ninguém pode planear salvar-se sozinho, sem a salvação dos outros. É errado rezarmos pedindo para nos salvarmos. Devemos amar os outros e orar para que ninguém se perca, para que todos entrem para a Igreja. É isso que importa. E é com tal desejo que se deve sair do mundo para ir para um mosteiro ou para o deserto.

Na igreja, que possui os mistérios (sacramentos) que salvam, não há desespero. Podemos até ser extremamente pecadores, mas confessamos, o padre lê a oração sobre nós e assim somos perdoados e caminhamos para a imortalidade, sem ansiedade, sem medo.