Menu Fechar

Arquimandrita Efraim de Vatopedi – Sobre a “Morte Súbita”

Hoje em dia, quando a ciência e a tecnologia estão “no topo”, quando as culturas convergem e há uma crise de valores, até mesmo a palavra “morte” é evitada, e qualquer coisa que a remeta é ignorada e descartada. O homem moderno vê a morte como algo negativo e como uma perda; costumamos dizer sobre os que partiram: “Nós o perdemos”. Quem não tem o conhecimento adequado sobre esta questão da morte, tenta ignorá-la. Assim, ele vive uma vida essencialmente neurótica, drenada de seu verdadeiro significado.

A parada da função cardíaca e / ou a morte do cérebro – ou seja, a morte biológica e clínica – não é um estado natural para o homem e não é uma condição que está de acordo com a vontade de Deus. Deus não fez a morte (Sabedoria de Salomão 1, 13). A morte invadiu a natureza humana e age como um parasita. A morte entrou no mundo pelo pecado dos antepassados. Não é possível que o mal tenha se originado de Deus, pois Deus é bom. Quando Ele criou o homem, Ele não o tornou mortal. A morte apareceu depois que o pecado foi cometido, “porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.” (Gn 2, 17). Na verdade, diz o apóstolo Paulo: “Portanto, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram” (Romanos 5, 12). Isto é, a morte como resultado do pecado dos antepassados invadiu a natureza humana e depois para o resto da criação.

O Senhor, por meio de Sua providência inefável, cuidou para que o tempo da morte do homem permanecesse desconhecido para ele. De acordo com a Teologia Ortodoxa, se o homem soubesse a hora em que ele iria morrer, ele não pararia de pecar, desconsiderando a virtude. O fato de o tempo da sua morte ser desconhecido o mantém vigilante e pronto. Portanto, fique acordado, pois você não sabe em que dia o seu Senhor está vindo (Mateus 24, 42), ou seja, durante a sua morte ou durante a Segunda Vinda.

No entanto, isso não significa que o Senhor tenha prazer quando ocorre a morte súbita. Há uma oração usada durante os cultos da Igreja em que pedimos ao Senhor que nos proteja da morte súbita, entre outros perigos. “Novamente nós oramos para que esta Igreja sagrada e cada Igreja, cidade, vila e todo país sejam preservados da fome, pestilência, terremoto, inundação, incêndio, espada, invasão estrangeira, guerra civil e morte súbita”. (Oração do Ofício da Meia-Noite).

A Igreja reza não só pelos seus membros ativos, fiéis, mas pelo mundo inteiro e seus futuros membros. Como mãe amorosa, ela volta sua atenção e seu afeto a todos os seus filhos em todo o mundo, a fim de protegê-los de todo o mal e conceder-lhes toda bondade e bênção. Por esta razão, a Igreja reza não apenas por todos os Ortodoxos, mas também pela “paz em todo o mundo… para aqueles que viajam por terra, pelo mar e pelo ar, pelos doentes, pelos aflitos, os cativos e sua salvação”.

A morte súbita do não-crente, o ateu e aquele que não se arrepende, torna-se um evento horrível, com consequências terríveis, uma vez que o tempo que lhe foi concedido pelo Senhor não foi utilizado. Ele não adotou uma postura positiva diante do Senhor, contra o seu próprio eu e o mundo. Isto é atestado pelo fato de que ele não se arrependeu e não viveu uma vida consciente do Senhor. Assim, sua comunhão com o Senhor, sua participação na felicidade eterna e divina torna-se questionável após sua morte. A súplica anteriormente mencionada ao Senhor para nos proteger da morte súbita refere-se precisamente a essa pessoa.

No entanto, o fiel, aquele que pratica uma verdadeira vida espiritual Ortodoxa, não pode ser espiritualmente prejudicado pela morte súbita, uma vez que se torna irrelevante para ele. Quanto mais alto seu estado espiritual, menos tem medo da morte; até diríamos que tal pessoa prefere o advento da morte. Isto não é porque ele odeia esta vida ou vê seu corpo como uma prisão e deseja se livrar dele, como os filósofos platônicos acreditavam, mas porque o cristão ama a vida e deseja sua comunhão com a verdadeira Vida, que é o próprio Cristo. Assim, ele professa junto com o apóstolo Paulo: “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é ganho. Mas, se o viver na carne me der fruto da minha obra, não sei então o que deva escolher. Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor “ (Filipenses 1: 21-23).

Da mesma forma, o abençoado Ancião José, o Hesicasta, exibindo esse fervor, esse divino Eros para Cristo, esse desejo de desfrutar a verdadeira vida, costumava dizer: “A morte é uma coisa poderosa e terrível para muitas pessoas; para mim, a morte é um repouso, algo muito doce ”(Ancião José, o Hesicasta: Uma expressão da experiência monástica). Assim, ele costumava advogar: “Bem-aventurado aquele que se lembra da morte dia e noite e se prepara para cumprimentá-la. A morte se torna um evento prazeroso para aqueles que a esperam, mas se torna amargo e duro (como a morte súbita) para aqueles que não a esperam ”.

São Silvan, o Atonita, apresenta um bom exemplo de morte súbita. “Vamos supor”, ele diz, “que há um rei que vive em pecado, em opulência e adquiriu todas as riquezas da terra. Se alguém dissesse a ele que ele iria morrer enquanto estava sentado em seu trono, cercado por príncipes e todos os seus acompanhantes, desfrutando de um banquete em todo o seu poder glorioso, ele ficaria chateado e tremeria de medo. Se, no entanto, alguém dissesse a mesma coisa para um pobre, que estava carregado com o amor de Deus, ele diria pacificamente: “Que a vontade do Senhor seja feita. Louvado seja o Senhor por lembrar-se de mim e por desejar me levar ao lugar onde o ladrão entrou primeiro ”.

Não obstante, é melhor que o homem conheça a hora de sua morte para poder rezar e entregar sua alma enquanto ora, como acontece com os anciãos justos e piedosos. Assim, o abençoado Ancião José, o Hesicasta, sabia de antemão que a Santíssima Senhora havia sido informada de que ele descansaria no dia da sua Dormição, no dia 15 de agosto. Mas também muitos santos de nossa Igreja haviam sido informados deste evento, como São Simão, o estilista, São Gregório Palamas e outros. São Teognosto diz que não importa quantas virtudes ou carismas se tenha adquirido, “ele não deve orar para ser absolvido de sua carne sem ser previamente informado sobre sua morte; mas, de fato, ele deve orar extensivamente por isso ”(São Teognosto: Filocalia, vol. 2).

Os desígnios do Senhor são como o profundo abismo (Salmos 35 e 7) e “quem conhece a mente do Senhor” (Romanos 11, 34). Em seus desenhos e decisões insondáveis, o Senhor sempre tece a libertação e a perfeição espiritual do homem, mesmo que para sua mente finita pareça que ele é prejudicado e sofre injustiça. Assim, o Senhor permitiu que muitos santos morressem de forma súbita, como Tiago, irmão do Senhor e Apóstolo, São Moisés Etíope, Santo Estevão, o Novo, os 38 anciãos mortos no Sinai e os 33 anciãos mortos em Raith, mesmo o grande reformador do monasticismo hagiorita, Santo Atanásio, o Atonita e outros. Essas pessoas, como pais espirituais, tomaram sobre si os pecados do povo e foram sacrificados como Cristo pela libertação do mundo. Eles também se tornaram a causa do despertar e do reavivamento de sua geração. Como Santo Anastácio do Sinai diz: as pessoas deveriam se maravilhar com a morte súbita de um justo e se perguntar: “Se tal coisa aconteceu a um santo, o que vai acontecer connosco, pecadores?”

Às vezes, o Senhor permite que o ataque da morte súbita apague inúmeros pecados. No livro do Gerontinkon, diz-se que quando um monge cometia fornicação, dois de seus antigos companheiros ascétas, que já haviam morrido, imploravam ao Senhor que permitisse que um leão o devorasse a fim de acabar com seu pecado de uma maneira tão dolorosa a classifica-lo entre eles e aqueles salvos. O presciente e abençoado Ancião Porfírio costumava dizer que os cientistas chegaram muito perto da descoberta da cura do câncer, mas o Senhor não dá a Sua permissão, pois o Paraíso está cheio de pacientes com câncer.

A dor está interligada com a vida. Ocasionalmente, nos encontramos fraturados das muitas dificuldades ferozes que nos acometem, especialmente se não temos fé suficiente. Por exemplo, se sabemos que alguém vai morrer logo de uma doença incurável, achamos difícil aceitar, apesar de termos preparado psicologicamente para isso. Quanto mais difícil seria manter a calma e a paz no caso de um jovem morrer de repente?

A morte é um evento não natural, pervertido e abominável. Sempre será o último inimigo do homem. Desde os tempos antigos até recentemente, o homem examinaria a morte com intenso interesse existencial. Hoje em dia, no entanto, apesar da visão cotidiana através da média sobre as muitas mortes coletivas ou violentas em guerras, acidentes ou crimes, o homem perdeu sua atitude existencial para a morte e acha que é algo natural.

Quando um cristão fala sobre a morte, ele não está sendo pessimista ou comprometendo-se de maneira fatalista; nem ele a considera algo natural; Ele considera a morte como um inimigo que ele deve conquistar através de Cristo. “O último inimigo que será destruído é a morte” (Coríntios 15, 26). “O Verbo se fez carne “(João 1, 14) “para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo”(Hebreus 2, 14). Deus estava encarnado para abolir a morte e o pecado e vencer o diabo. Cristo assumiu uma carne mortal sujeita a paixões para vencer a morte com sua própria carne. Através da Sua crucificação e da Sua Ressurreição Ele bateu a morte e deu ao homem a capacidade de também a destruir, depois de estar unido com Ele. Assim, após a encarnação do Verbo Deus, a morte mudou seu nome e sua direção. Não é mais chamada de “morte”, mas sim de “repouso” e se torna a ponte para a vida eterna. “O justo passa da morte para a vida” (Jo 5, 24).

São Nicodemos, o Hagiorita, aconselha-nos a não esquecer que “a morte aparece como um ladrão inesperado e não sabemos como ou quando ela nos visitará. Ela pode aparecer hoje, a esta hora, neste exato momento e você, que acordou se sentindo bem, não durará até a noite, enquanto você, que chegou à noite, pode não acordar… Portanto, meu irmão, tome cuidado e diga a si mesmo: “Se eu morrer de repente, o que será do velho “eu” miserável? Qual seria o meu benefício, mesmo que eu aprecie todos os prazeres do mundo?… “Para trás de mim, Satanás e pensamento maligno! Eu não desejo te obedecer e cometer um pecado ”(São Nicodemos, o Hagiorita: Exomologitarion).

Segundo os Padres e a experiência de nossa Igreja, nossos irmãos – especialmente aqueles que partiram repentinamente – beneficiam-se muito dos serviços memoriais e das quarenta liturgias costumeiras que oferecemos a eles, bem como de nossas orações, caridades e nossos próprios modo justo de viver, que se reflete em suas almas como luz.

Ao concluir nossa curta apresentação, na qual abordamos brevemente alguns aspetos da questão da morte súbita do ponto de vista de um teólogo, gostaríamos também de enfatizar que a morte, ou seja, a separação da alma do corpo, constitui um mistério sobre que somente o Governante da vida e da morte tem uma palavra a dizer. Cabe aos juízos não respondidos do Senhor, se morreremos ou não uma morte súbita; mas devemos crer firmemente e assimilar totalmente com toda a nossa força o fato de que, através do Cristo Ressuscitado, a morte não tem mais domínio (Romanos 6, 9) e que o dom de Deus é a vida eterna (Romanos 6, 23).

 Fonte: Pemptousia

Posted in Espiritualidade

Related Posts