Menu Fechar

Pecado não é um problema moral

Muitos leitores nunca ouviram que não existe progresso moral – por isso, não me surpreende que tenham pedido para escrever com mais profundidade sobre o assunto. Começarei focalizando a questão do pecado em si. Se entendermos corretamente a natureza do pecado e seu verdadeiro caráter, a noção de progresso moral será vista com mais clareza. Começarei esclarecendo a diferença entre a noção de moralidade e a compreensão teológica do pecado. Esses são dois mundos muito diferentes. Moralidade (como eu uso a palavra) é um termo amplo que geralmente descreve a adesão (ou falta de adesão) a um conjunto de padrões ou normas de comportamento. Nesse entendimento, todo mundo pratica alguma forma de moralidade. Um ateu pode não acreditar em Deus, mas ainda assim terá um senso internalizado de certo ou errado, bem como um conjunto de expectativas para si mesmo e para os outros. Nunca houve um conjunto universalmente aceito de padrões morais. Pessoas diferentes, culturas diferentes têm uma variedade de compreensões morais e formas de discutir o que significa ser “moral”.

Observei e escrevi que a maioria das pessoas não progredirá moralmente. Isso quer dizer que geralmente não melhoramos em observar quaisquer padrões e práticas que consideramos moralmente corretos. No geral, somos tão moralmente corretos quanto sempre seremos.

Isso difere fundamentalmente com o que é chamado de “pecado” em termos teológicos. O fracasso em aderir a certos padrões morais pode ter certos aspetos de “pecado” sob ele, mas falhas morais não são a mesma coisa que pecado. Da mesma maneira, a correção moral não é a mesma coisa que “retidão”. Uma pessoa poderia ter sido moralmente correta durante toda a sua vida (teoricamente) e ainda estar atolada em pecado. Compreender o pecado tornará isso claro.

“Pecado” é uma palavra que é usada frequentemente de maneira errada. Popularmente é usado para denotar infrações morais (quebrar as regras) ou, religiosamente, quebrar as regras de Deus. Assim, quando alguém pergunta: “É pecado fazer x, y, z?”, O que eles querem dizer é: “É contra as regras de Deus fazer x, y, z?” Mas isso é incorreto. Corretamente, o pecado é algo bem distinto da quebra de regras – São Paulo fala de uma maneira completamente diferente:

Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem.

Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço. Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim (Romanos 7: 18-20).

“O pecado que mora em mim?” Obviamente, “quebrar as regras” é um significado que se não encaixa de qualquer maneira possível nesse uso. O pecado tem um significado completamente diferente. Nós podemos ver o seu significado novamente em São Paulo:

Porque, quando éreis servos do pecado, estáveis livres da justiça. E que fruto tínheis então das coisas de que agora vos envergonhais? Porque o fim delas é a morte. Mas agora, libertados do pecado, e feitos servos de Deus, tendes o vosso fruto para santificação, e por fim a vida eterna. Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna, por Cristo Jesus nosso Senhor (Romanos 6:20-23).

Aqui o pecado é algo em que podemos estar em cativeiro e cujo fim é a morte. Então, o que é pecado?

Pecado é uma palavra que descreve um estado de ser – ou, mais propriamente, um estado ou processo de não-ser. É um movimento que se afasta da nossa própria existência – o dom de Deus para a Sua criação. Somente Deus tem o Ser Verdadeiro – só Ele é auto-existente. Tudo o mais que existe é contingente – é totalmente dependente em todos os momentos de existência de Deus. Quando Deus nos criou, de acordo com os Padres, Ele nos deu existência. À medida que crescemos em comunhão com Ele, nos movemos para o bem-estar. Seu presente final para nós, e essa união para a qual nos movemos corretamente, é ser eterno.

Mas existe um oposto a esta vida de graça. Este é um movimento para a não-existência, um movimento para longe de Deus e uma rejeição do bem-estar. É esse movimento que é chamado “pecado”. Podemos estar em cativeiro com isso, como uma folha presa em um redemoinho de água. O pecado não é nada em si (pois o não-ser não tem existência). Mas ela é descrita nas Escrituras por palavras como “morte” e “corrupção”. Corrupção ou “podridão” (φθορά) é uma excelente palavra para descrever o pecado. Pois é a dissolução gradual (um movimento ou processo dinâmico) de uma coisa que antes existia -e sua gradual decomposição em pó.

Isso difere notavelmente da ideia de pecado como a quebra de regras morais. A quebra de uma regra implica apenas um erro externo, uma infração meramente legal ou forense. Nada da substância é alterado. Mas as Escrituras tratam o pecado muito mais profundamente – é em si uma mudança na substância, uma decadência do nosso próprio ser.

E aqui é onde algum pensamento criativo se torna necessário. O hábito da nossa cultura é pensar no pecado em termos morais. É simples, exige pouco esforço e concorda com o que todos ao seu redor pensam. Mas é teologicamente incorreto. Isso não quer dizer que você não possa encontrar tais tratamentos moralistas dentro dos escritos da Igreja – especialmente a partir de escritos nos últimos séculos. Mas a captura da teologia da Igreja pelo moralismo é um verdadeiro cativeiro e não uma expressão da mente ortodoxa.

Então, como pensamos no certo e errado, no crescimento espiritual, na própria salvação, se o pecado não é um problema moral? Nós não ignoramos nossas falsas escolhas e paixões desordenadas (hábitos de comportamento). Mas nós os vemos como sintomas, como manifestações de um processo mais profundo em progresso. O cheiro de um cadáver não é o problema real e tratar o cheiro não é a mesma coisa que ressurreição.

A obra de Cristo é o trabalho da ressurreição. Nossa vida em Cristo não é uma questão de melhoria moral – é a vida dos mortos. Nós somos enterrados em Sua morte – e é uma morte real – completa com tudo o que a morte significa. Mas a morte dele não foi para a corrupção. Ele destruiu a corrupção. Nosso batismo na morte de Cristo é um batismo na incorrupção, a cura da rutura fundamental em nossa comunhão com Deus.

Então, como é essa cura? É errado esperar algum tipo de progresso?

Minha experiência de vida (34 anos como sacerdote) e a leitura dos Padres e da Tradição sugerem que tais expectativas são de fato deslocadas. Eu fiquei intrigado com isso por muitos anos. Cheguei a pensar em nossa salvação como semelhante à realidade dos sacramentos. O que você vê na Eucaristia? O Pão e o Vinho passam por uma mudança progressiva? Nós vemos uma transformação diante de nossos olhos?

O que parece ser verdade é que nossa salvação está em grande parte oculta – às vezes até de nós mesmos. A fé cristã é “apocalíptica” em sua própria natureza – é uma “revelação daquilo que está oculto”. As parábolas das imagens cheias de surpresa: um tesouro descoberto, etc. A salvação tem um jeito de aparecer. Muitas vezes penso no drama litúrgico de uma liturgia ortodoxa como se imaginasse exatamente isso – assim as portas e a cortina e o fluxo “agora você vê isso – agora você não vê – agora você realmente vê” o fluxo do serviço.

Encontrar a nossa salvação significa afastar-se da aparência das coisas. Requer uma profunda e fundamental reorientação de nossas vidas. Requer o trabalho interior de arrependimento. A vida moral é vivida na superfície – até os ateus se comportam de maneira moral. Quando nos voltamos para Cristo-em-nós, nos movemos abaixo da superfície. Começamos a ver quão efêmeras e confusas são nossas ações.

Estas ações são principalmente o trabalho de um falso eu, um ego que é quebrado e envergonhado e luta freneticamente “para ser melhor”. Mas, o coração da vida espiritual cristã não é através deste caminho do ego melhorado, mas através do caminho da “morte para si mesmo”, na qual perdemos uma existência que não é o nosso verdadeiro eu, e aprendemos uma existência que é nossa em Cristo. Mas o que vemos é muitas vezes outra coisa. Por um lado estamos encontrando a verdade, por outro ainda nos apegamos a sua falsa existência – e isso é principalmente o que vemos e o que os outros veem. A obra oculta da salvação permanece invisível.

Não é de todo incomum na vida dos santos que a santidade de um indivíduo permaneça oculta até a morte dele. Este foi o caso de St. Nectários de Egina. Ele foi demitido por muitos, embora visto verdadeiramente por alguns. Mas em sua morte, milagres começaram a fluir dele e, de repente, as histórias começaram a surgir.

E misteriosamente, parece que essa vida oculta é muitas vezes escondida do próprio santo (assim como a nossa verdadeira vida está escondida de nós). Acho que Deus nos preserva do fardo desse conhecimento em prol da nossa salvação.

Defina seu afeto nas coisas acima, não nas coisas da terra. Pois você está morto e sua vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, aparecer, então você também aparecerá com ele em glória (Col 3: 2-4)*.

Este é, novamente, o caráter apocalíptico da vida cristã. Estamos mortos e nossas vidas verdadeiras estão escondidas com Cristo em Deus – e elas aparecerão quando Ele aparecer.

Então, o que vemos nesta vida? A resposta simples é clara: Cristo. Não é nossa própria melhoria que procuramos, mas Cristo. Nossa própria melhora lentamente deixa de ser importante quando encontramos Cristo. E quanto mais O encontramos, mais claramente a falsa natureza do ego parece clara para nós, e podemos dizer: “Eu sou o pior de todos os pecadores”.

*Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra; Porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com ele em glória (Colossenses 3:2-4).

Padre Stephen Freeman

Em português: Leitorado Ortodoxo

Posted in Espiritualidade

Related Posts