Menu Fechar

Etiqueta: liturgia

Frederica Mathewes-Green: Porquê os homens gostam da Igreja Ortodoxa

Num tempo como o nosso, onde encontramos todo o tipo de “igrejas” a desvalorizar os homens, estes voltam-se para o Cristianismo Ortodoxo, se não em elevadas, porém em intrigantes proporções. Dentre os três ramos do Cristianismo, este é o único que atrai, para a conversão, homens e mulheres, em igual número. Leon Podle, autor da obra The Church Impotent, escreveu: “Os ortodoxos são os únicos cristãos que usam basso profondo como música sacra ou precisam fazê-lo”.

Ao invés de tentar adivinhar a razão disso, enviei diversos e-mails para centenas de homens ortodoxos, os quais, na sua maioria, converteram-se já na idade adulta. Perguntei-lhes o que, na prática, torna a Igreja Ortodoxa tão atrativa. As respostas, a seguir apresentadas, podem contradizer as ideias de muitos líderes religiosos, os quais se utilizam das mais diversas formas para manter os rapazes dentro das suas “igrejas”.

DESAFIO

Este foi o termo mais comum que encontrei nas respostas. O Cristianismo Ortodoxo é ativo e não passivo. É a única forma de Cristianismo na qual a pessoa é desafiada a adaptar-se a ele e não adaptá-lo a si próprio. Quanto mais a pessoa se encontra comprometida, mais ela se sente satisfeita.

Padre Thomas Fitzgerald – A Sagrada Eucaristia

 “Nós não sabíamos se estávamos no céu ou na terra, pois certamente não existe tal esplendor ou beleza em lugar algum na terra. Nós não conseguimos descrever para você; nós só sabemos que Deus habita lá entre homens e que o Serviço deles supera a adoração de outros lugares…”

Na parte final do século décimo, Vladimir, o Príncipe de Kiev enviou emissários a vários centros Cristãos para estudar a forma deles de adoração. Estas são as palavras que os enviados proferiram quando eles reportaram a sua presença na celebração da Eucaristia na Grande Igreja da Santa Sabedoria, em Constantinopla. A experiência profunda expressada pelos enviados Russos tem sido uma partilhada ao longo dos séculos por muitos que testemunharam pela primeira vez a bela e inspiradora Divina Liturgia da Igreja Ortodoxa.

A Divina Liturgia – o mistério cristão

Pergunta: Concordarias que a Liturgia revela o que a Ortodoxia realmente é?

Resposta: Sim, claro, a Liturgia é a revelação central do mistério Cristão, e, de certa forma, nela, toda a Ortodoxia é contida, lembrada, e dada para a nossa experiência viva.

Todos os Ícones, as vestes, as velas, o canto… tudo em harmonia e unidade serve para divulgar apenas uma coisa: O homem é feito para Deus e encontra a sua identidade, realização e perfeição nele.

A Divina Liturgia – a natureza da nossa adoração

Pergunta: Porque é que os Cristãos Ortodoxos participam na Divina Liturgia e em outros serviços religiosos da Igreja? Qual é o propósito de tais serviços? É o propósito que tal participação “sentir/receber algo” ou é uma oferta? Foi-me dito que nós vamos á Igreja para nos identificarmos e ajudarmos a preservar a nossa herança Étnica e Histórica, bem como tradições. É isto correto?

Respostas:

Você Escreve: Porque é que os Cristãos Ortodoxos participam na Divina Liturgia e outros serviços religiosos?

Resposta: Nós fazemo-lo para adorar Deus, para entrar em união com ele e com o seu povo através da Eucaristia e outros Mistérios, ou Sacramentos, e para receber força enquanto continuamos no caminho da salvação e da “vida do mundo vindouro.”

A Divina Liturgia

Pergunta: A Divina Liturgia é, obviamente, o centro da vida Ortodoxa?

Resposta: A Divina Liturgia é, de facto, o centro da vida Cristã Ortodoxa. Tal como mencionámos, é o Sacramento dos Sacramentos, ou para usar a expressão Ortodoxa mais tradicional, o “mistério dos mistérios.” A palavra que equivale “Sacramento”, entre os Ortodoxos, é normalmente, “Mistério”.

Protopresbítero Alexander Schmemann – EUCARISTIA

A Eucaristia é a Igreja que entra na alegria de Seu Mestre. Entrar nesta alegria e ser dela testemunho neste mundo é, na verdade, o próprio apelo dirigido à Igreja, sua leitourgia essencial, o sacramento pelo qual “ela torna-se o quê realmente é”.

A melhor maneira de compreender a Liturgia eucarística é olhá-la como uma estrada ou uma procissão. É a estrada onde a Igreja entra na dimensão do Reino. Empregamos esta palavra “dimensão” porque parece ser a melhor para indicar a maneira de nossa entrada sacramenta na vida ressuscitada de Cristo.

Nossa entrada na presença de Cristo é uma entrada numa quarta dimensão que nos permite pressentir a realidade última da vida. Não é uma evasão do mundo. Antes a chegada ao ponto privilegiado de onde nossa vista pode se imergir mais profundamente na realidade do mundo.

Símbolo da Fé (Credo Niceno-Constantinopolitano)

Creio em Um só Deus: Pai, Omnipotente, Criador do céu e da terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis.

E em Um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigénito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos. Luz de Luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado e não criado, consubstancial ao Pai, por Quem tudo foi feito.

Que por nós homens e por nossa salvação, desceu dos céus e Se encarnou pelo Espírito Santo e da Virgem Maria e Se fez homem.

E por nós foi crucificado sob Pôncio Pilatos; padeceu e foi sepultado, e ressuscitou ao terceiro dia, conforme as Escrituras.

E subiu aos Céus e está sentado à direita do Pai, e novamente virá com glória para julgar os vivos e os mortos, e o Seu Reino não terá fim.

E no Espírito Santo, Senhor Vivificante, que procede do Pai, e que juntamente com o Pai e o Filho é adorado e glorificado, e que falou pelos profetas.

E na Igreja una, santa, católica e apostólica.

Confesso um só batismo para a remissão dos pecados.

Espero a ressurreição dos mortos e a vida do século vindouro. Ámen. 

A oração – “Pai nosso”

Pai nosso, que estás nos Céus, santificado seja o Teu nome, venha a nós o Teu Reino, seja feita a Tua vontade assim na terra como no céu. O pão nosso de cada dia nos dá hoje; e perdoa as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; e não nos deixes cair em tentação, mas livra-nos do maligno; Pois Teu é o Reino, o Poder e a Glória [Pai, Filho e Espírito Santo], agora e sempiternamente, e pelos séculos dos séculos. Ámen.