Menu Fechar

Mensagem de Natal de Sua Eminência Dom Nestor, metropolita de Quersoneso e da Europa Ocidental

Bem-amados em Cristo padres, irmãos e irmãs:

Cristo nasceu!

Neste dia do nascimento de nosso Senhor segundo a carne, demos graças a Deus, que nos concedeu a graça, de uma vez mais, nos aproximarmos do presépio de Belém, onde o Filho Único e Verbo de Deus quis ser colocado pela Sua santa Mãe. Concedeu-nos Ele ainda neste tempo contemplar o amor divino e a confiança divina na Humanidade.

No seu profundo amor para com o ser humano, Deus fez brilhar sobre a terra a sua glória, para que juntamente com o céu partilhe a terra da Sua vida eterna. De todas as Suas criaturas terrestres, escolheu o nosso Pai celeste o Homem, para o revestir da Sua imagem e semelhança. É, porém, no seu Filho unigénito que Ele manifestou ao mundo o Homem mais autêntico e mais verdadeiro, tal como Deus o concebeu, e tal como cada um de nós recebe a vocação de se tornar.

Admiremos também, caros irmãos, a confiança na humanidade que Deus nos manifestou pela Sua encarnação. O Verbo de Deus, coeterno com o Pai e todo-poderoso, nasce segundo a carne despojado, tomando a condição de servo (Fil 2,7) – e avança humildemente como um infante recém-nascido, envolto em fraldas e deposto numa manjedoura, sem ter abrigo. Nada mais frágil! E, no entanto, é dessa fragilidade desarmante, dessa confiança no Homem, desse amor por ele que Deus faz a sua força para vencer a crueldade, a hostilidade e a arrogância do mundo que O não conhece!

Por conseguinte, esses dons divinos, que recebemos na Natividade de Cristo, não deveriam deixar ninguém indiferente. Diante da gruta com Cristo recém-nascido, naquele ponto em que a estrela estaca, devia também o Homem estacar e responder a essa profundidade de amor e a esse penhor de confiança.

Passar ao lado e seguir, como se nada se tivesse passado, seria reduzir o nascimento de Cristo na carne a um facto do passado, longínquo e sem consequências, insignificante e estéril para a humanidade. E de facto, nada repele tanto a graça como a indiferença: “sei que não és quente nem frio… e, portanto, pois que é morno, nem quente nem frio, vou-te vomitar de Minha boca” (Ap 3, 15-16). No mundo surdo e insensível, perdido em busca de coisas fúteis, nós, cristãos, temos por vocação dar provas do nosso fervor.

Eu sei, queridos padres, irmãos e irmãs, que vós não sois mornos, que respondeis à Boa Nova da vinda do Salvador com grande fervor e vos converteis (Ap 3,19).

Com corações ferventes, repletos de júbilo, celebremos o Verbo de Deus vindo na carne como Rei de Paz e Salvador das nossas almas!

Que a paz de Cristo recém-nascido esteja com todos vós!

† Nestor, Metropolita de Quersoneso e da Europa Ocidental
Exarca patriarcal na Europa Ocidental

Natividade de Cristo, Paris, 2023-2024.

Dom Pedro Pruteanu sobre a liberdade religiosa

Entrevista dada por Dom Pedro Pruteanu a Aryelle Bastos
da Agência BlueLine sobre a liberdade religiosa

 

Qual é a importância desta igreja na representação da história do país?

A comunidade ortodoxa de Cascais foi constituída em 2004, sendo formada por imigrantes provenientes da Moldávia, Ucrânia, Rússia, Roménia e outros países. Obteve em 2006 como lugar de culto a capela “Ermida Nossa Senhora da Conceição dos Inocentes”, localizada aqui, em Cascais. Esta capela foi construída em 1634, em memória a um naufrágio que teve lugar aproximadamente no ano de 1609.

Quando se fez sentir o grande terramoto e tsunami, em 1755, que devastou toda a costa de Cascais até Lisboa, a capela e todos os fiéis que se encontravam naquele momento no seu interior sobreviveram, de forma milagrosa, apesar da sua proximidade ao litoral.

De momento, a paróquia serve também como capela episcopal para o Vicariato de Portugal, do qual sou o bispo responsável além de permanecer como pároco honorífico desta comunidade.

Já presenciou atentados ao património da sua igreja?

O maior património de uma igreja não são as paredes ou os objetos de culto, mas sim, as pessoas, os crentes que aqui vêm para se encontrar com Deus. Nesse sentido, pode-se afirmar que a privação dos crentes das condições adequadas para a oração constitui o maior atentado ao património da igreja.

A igreja onde estamos foi contruída numa altura em que Cascais era uma aldeia de pescadores. Hoje em dia, em que Cascais é um centro turístico importante, tanto para Portugal como para a Europa, e à sua volta existem locais de interesse turístico bastante movimentados, bares e música alta, torna-se difícil manter este local sossegado e tranquilo.

Por várias vezes as paredes e as portas da igreja foram grafitadas, foi mandado lixo por baixo da porta e, no cruzeiro situado do lado esquerdo da igreja, onde há uma praceta, há constantemente ajuntamentos de pessoas que consomem álcool, fazem barulho e, muitas vezes, propõem a venda de droga às pessoas que por aqui passam. Julgamos que todos estes acontecimentos vão para além de um atentado.

Padre Jerónimo Thomaz: Kenôsis do Filho de Deus e do Espírito Santo

 

Deportado e prisioneiro na Assíria, assim orava Tobias ao Senhor: “Bendito és Tu, ó Deus vivo, cujo reinado se estende pelos séculos! (…) Confessai-O, filhos de Israel, à vista das nações, pois Ele nos dispersou entre elas: proclamai aí a Sua majestade e exaltai-O perante todo o ser vivente”. Sem pretender de modo algum perscrutar os desígnios do Senhor, que permanecem insondáveis, não posso arredar inteiramente o pensamento de que Deus — agindo, como sempre através de causas segundas, neste caso, condições económicas e políticas — terá permitido a diáspora de tantos cristãos do Leste da Europa, para que proclamem no Oeste as suas maravilhas e assim colaborem na re-espiritualização do Ocidente e na renovação do pensamento teológico ocidental.

Disso temos já um exemplo, no que se passou após a revolução russa de 1917, que obrigou muitos filósofos e teólogos da Rússia a refugiarem-se em países ocidentais. Foi assim que em 1924 surgiu em Paris o Instituto de Teologia Ortodoxa S. Sérgio, em que ensinaram teólogos da envergadura dos arciprestes Sérgio Bulgákov e Jorge Florovsky, pioneiro da corrente neopatrística e do movimento ecuménico, para citar apenas dois nomes. A sua influência propagou-se rapidamente à Igreja Católica-Romana, em que imperava então uma Escolástica racionalista, que na sua decadência se tornara estéril, dissociando a teologia da vivência cristã e reduzindo-a a uma cadeia de teoremas sobre a Divindade, que a aproximava mais da matemática do que da Fé. Não é por mero acaso que em Coimbra, enquanto perdurou a Faculdade de Teologia, em 1910 condenada à morte pela república, muitos estudantes se diplomavam simultaneamente em Teologia e Matemática…

No entanto, sem renegar a sua tradição, teria podido a igreja pós-tridentina encontrar nela a base para reagir a esse imperialismo da razão, que, para retomar a expressão usada em 1270 e de novo em 1277 pelo arcebispo de Paris e pela Sorbonne, nos seus dois sucessivos alertas contra os perigos da Escolástica que então se desenvolvia, “sujeitava Deus à lógica de Aristóteles”. De facto, ao crescente imperialismo da lógica aristotélica opôs-se desde logo a teologia monástica, mais experiencial, de que foi figura de proa o pai da escola franciscana, Boaventura de Balneorrégio (c. 1218-74), “ministro-geral” da sua ordem: sobretudo no seu Breviloquium, e no seu Itinerário da mente para Deus, rejeita como “manca, defeituosa e sem sentido humano” a filosofia que se baste a si mesma, sem reabilitar o homem através dos três graus consecutivos da ciência, da sabedoria e da bem-aventurança.

Mensagem pascal do metropolita Nestor (2023)

 

 

Bem-amados confrades em Cristo, bispos, presbíteros, diáconos, monges e irmãos,

Cristo ressuscitou!

 A Páscoa de Cristo é a vitória do Amor!

Reconhecemos o amor que Deus nos tem e cremos nele (1 Jo 4, 16). Cremos nele definitivamente e em toda a sua plenitude porque a nossa experiência nos persuade de que o Amor de Deus é omnipotente e sem limites.

Se sob a Antiga Aliança o amor era tão poderosos como a morte, sob a Nova é mais forte do que a morte, pois a morte foi tragada pela vitória (1 Cor 15, 54).

Por isso nesta santa noite de Páscoa vos endereço um apelo muito simples – reconheçamos esse amor, guardemo-lo entre nós, sejamos testemunhas dele no mundo, cada vez mais atingido pela indiferença e pela insensibilidade.

Armemo-nos contra as tentativas insensatas e criminosas de semear o ódio e a animosidade entre nós, entre os diferentes povos — guardemos a capacidade de amar, de perdoar, de confiarmos uns nos outros.

Se essa chama em nós se extingue, se o nosso coração já não é ardente no interior de nós, se não temos já amor — que sentido terão então o nosso ministério, a nossa missão, a nossa presença nos diferentes países, cidades e regiões da Europa Ocidental?

Se o sal vem a tornar-se ensosso, deita-se fora (Lc 14, 35).

Que o Senhor ressuscitado conceda a todos nós a força e a sabedoria de guardar a santa Ortodoxia, de guardar a nossa Igreja, as nossas dioceses, os nossos mosteiros, as nossas paróquias e comunidades no espírito de amor, de unidade e de paz.

Jubilosa ressurreição de Cristo para todos vós, meus caros!

Cristo ressuscitou! Em verdade ressuscitou!

† Dom NESTOR; Exarca patriarcal na Europa Ocidental
e metropolita de Quersoneso e da Europa Ocidental

Paris, Páscoa de 2023.

Padre Jerónimo Thomaz – PEQUENO LÉXICO DE TERMOS LITÚRGICOS E TEOLÓGICOS

 

Acatisto (Akáthistos) — literalmente “sem se sentar”, isto é, “recitado de pé”: hino composto talvez pelo patriarca Sérgio, em 626, quando Constantinopla foi cercada pelos ávaros e o povo aterrado se juntou em Santa Sofia, pois o imperador Heráclio estava longe, com todo o seu exército, combatendo os persas. Passaram a noite a pedir a Nossa Senhora que os livrasse, cantando em pé (daí o nome de acatisto “sem se sentar”) e no dia seguinte o cagano (qaghân) ou rei dos ávaros levantou o cerco. O Sinaxário designa os ávaros por sármatas, o que é um arcaísmo de linguagem, pois os sármatas ou citas (iranianos nómadas) haviam desaparecido há muito das costas setentrionais do Mar Negro, que eram agora ocupadas por invasores de origem turco-mongol como os ávaros. O hino Acatisto tornou-se muito popular em todo o Oriente bizantino e c. 800 foi traduzido em latim em Veneza. Recita-se sobretudo na Quaresma, não porque tenha com ela alguma relação particular, mas devido à vizinhança da festa da Anunciação, a 25 de março, que cai sempre na Quaresma. Modernamente compuseram-se também, à imagem deste, hinos acatistos em honra de vários santos.

Anáforaliteralmente “ato de erguer, elevação [de um sacrifício até Deus], oferenda”, nome que se dá à peça fundamental da liturgia eucarística, a grande oração consecratória. No rito bizantino atual usam-se geralmente apenas duas: a anáfora de S. João Crisóstomo, mais breve, nos dias comuns, e a de S. Basílio nas festas principais; mas outras existem, usadas em certas igrejas. São muito numerosas as redigidas em siríaco e em etiópico, usadas no rito sírio e no rito etíope. Na liturgia romana chama-se-lhe cânon, “regra”, termo que evitamos pois presta-se a confusões com a composição, completamente diferente, designada por cânon na tradição bizantina.

Apolytíkiono mesmo que “tropário do dia”, o tropário principal de cada celebração que resume em poucas palavras a festa ou o mistério que se celebra. O nome de apolytíkion, “terminal, final” advém-lhe de se repetir no final de todos os ofícios desse dia.

Cânon — composição poética formada as mais das vezes de oito odes ou séries de tropários, concebidos para serem intercalados entre os oito ou nove cânticos bíblicos que se liam ou cantavam no ofício de Matinas, entre o salmo 50 e os salmos de laudes (148-150). Embora estes possam ser lidos ou cantados, muito raramente o são (a não ser o 9º cântico, o Magnificat ou canto da Virgem Maria), substituindo-se normalmente por uma curta invocação repetida a cada estrofe. Como o segundo desses nove cânticos bíblicos (o canto de Moisés em Deuteronómio 33, 1-44) apenas se lê na Quaresma, a maioria dos cânones não possuem a segunda ode, contando por conseguinte apenas oito. Cf. Triodion.

Cânon paraclético — “cânon de suplicação”, em princípio endereçado à Virgem Deípara, frequentemente cantado ou lido nos mosteiros e igrejas seculares, ou recitado em privado pelos fiéis.

Mensagem de Natal do Metropolita Nestor de Korsun e Europa Ocidental, Exarca Patriarcal da Europa Ocidental

Amados irmãos no Senhor: bispos, presbíteros, diáconos, reverendos monges e monjas, irmãos e irmãs!

Nesta noite santa de Natal, somos chamados a levantar-nos, ir a Belém e adorar a Deus. Por nós, Ele se despojou, assumiu a condição de servo (Filipenses 2:7) e tornou-se homem.

A quem mais podemos ir? As nossas vidas mudaram tão irreparavelmente! parece que nada há de fiável, estável e verdadeiro…

Recordemos que uma vez o apóstolo Pedro, em nome de todos os discípulos, exclamou: “A quem iremos nós, Senhor? Só Tu tens palavras de vida eterna” (João 6:68).

Não há ainda palavras de vida eterna no estábulo de Belém; mas encontraremos lá o próprio Cristo.

Está escuro e frio no estábulo, sente-se o bafo da respiração dos animais. Estão quietos, mastigando a sua palha, e o Menino dormindo, deitado numa manjedoura. Assim foi nas cercanias de Belém. Da consciência disto, da mera contemplação desta imagem, ganham vida nos nossos corações a esperança e a alegria, e começa a reinar paz em nossas almas.

Na Sua última conversação com os discípulos, disse-lhe O Salvador: “Deixo-vos a paz, dou-vos a Minha paz; não vo-la dou como a dá o mundo” (João 14:27).

É verdade, não é como a dá o mundo… Desde que nos desviemos um pouco para os elementos do mundo, em direção ao círculo exterior que nos rodeia, perdemo-nos. Perdemos a capacidade de ouvir a Cristo. Mas Ele diz-nos: “Não se perturbe o vosso coração, nem se acobarde” (João 14:27).

Que a paz de Cristo esteja convosco, irmãos queridos!

Conheço as vossas obras e as vossas orações, sei quanto fazeis para permanecerdes humanos, para preservar a fraternidade e o amor nas nossas paróquias e comunidades, para acolher aqueles que agora acorrem até nós necessitados de apoio e de consolo.

Que a Natividade de Cristo, esta festa da Luz, nos fortaleça na vida quotidiana, no serviço, na oração. O amor é mais forte do que o ódio, mais forte do que a morte. Deus está connosco e não nos abandonará.

Feliz Natal!

 

† Nestor, Metropolita de Korsun e da Europa Ocidental

Paris, Natal de 2022/2023

Vida de Santa Teodora, Imperatriz de Arta (sec. XIII)

Esta abençoada imperatriz Teodora (Αγία Θεοδώρα της Άρτας), comemorada na Igreja Ortodoxa no dia 11 de Março, era de uma família do Oriente; os seus pais eram João e Helena. As suas origens eram as seguintes: enquanto Aleixo, um descendente da família Comnena, governava os Romanos, Miguel Comneno, que era aparentado do próprio imperador e dos imperadores que tinham o nome de Ângelo, foi incumbido da governação do Peloponeso. E Senaquerim foi enviado a Etólia e a Nicópolis. Eles casaram-se, originalmente, com duas primas de primeiro grau, que eram parentes de sangue do imperador. E João, o pai da abençoada Teodora, cujo sobrenome era Petralifas, sendo de uma linhagem distinguida e esplêndida, foi casado pelo imperador com uma mulher (Helena) que era membro de uma das principais famílias de Constantinopla. Após ter sido honrado com o título de sebastocrator dos Romanos, foi nomeado para governar a Macedónia e a Tessália. Mas, infelizmente, com a indulgência de Deus, os latinos conquistaram Constantinopla e o imperador Aleixo foi por eles levado cativo, juntamente com muitos outros. E o menino Láscaris foi cegado na Anatólia por Miguel Paleólogo, que, então, apoderou-se do trono; e tudo foi preenchido com tumulto e confusão. Então, os habitantes de Nicópolis conspiraram contra Senaquerim, que convocou Miguel Comneno para o ajudar; mas antes de ele ter chegado, Senaquerim foi assassinado. Quando Miguel chegou, matou todos os assassinos. E casou-se com Melissena, a esposa de Senaquerim. Pois ele tinha perdido previamente a sua própria esposa, que tinha morrido. E ele apropriou-se de toda a riqueza de Senaquerim, bem como do seu poder político. Quando a frota latina desceu de Constantinopla e ancorou no porto chamado Salagora, Miguel Comneno resgatou o imperador Aleixo, que os latinos tinham tomado como escravo, pois não o reconheceram; e Comneno assegurou a sua libertação, depois de lhes ter, primeiro, concedido abundantemente muitos presentes. Portanto, a autoridade imperial foi dada como herança pelo imperador Aleixo III a Miguel e aos seus descendentes. Nasceram-lhe quatro filhos, a ele e a Melissena: Miguel Ducas, Teodoro, Manuel e Constantino. Miguel, o filho mais velho, após a morte do seu pai, assumiu toda sua governação. Ele era um homem energético, perspicaz e um administrador habilidoso. Ele conquistou Belgrado (Berati) e Joanina e Bonditza (Vonitsa). Ele também adquiriu a ilha de Corfu, Dirráquio e Ocrida e toda a Valáquia e Hélade e expandiu grandemente a extensão do seu território. Mas ele cedo caiu vítima da espada e morreu, deixando o seu irmão Teodoro Ducas como herdeiro. E Teodoro desconsiderou como imaturo o filho do seu irmão, Miguel Ducas, visto que era um bebé pequeno. Então ele apoderou-se de todo o poder e, exaltado pela sua boa fortuna, concebeu um plano traiçoeiro contra a criança. Mas quando a sua mãe descobriu, ela preveniu-se viajando com a criança para o Peloponeso.

Santa Maria, que alterou o seu nome para Marinos (12 de fevereiro)

A vida e conduta da abençoada Maria, que alterou o seu nome para Marinos, comemorada a 12 de fevereiro (no calendário Juliano)

 Havia um certo homem, chamado Eugénio, que vivia em piedade, pureza e no temor de Deus. Ele tinha uma esposa honorável e devota, com quem teve uma filha, a quem chamou Maria. Quando a sua esposa morreu, o pai criou a criança com muita educação e nas maneiras de uma vida espiritual.

Quando a menina cresceu, o seu pai disse-lhe: “Vê, minha filha, deposito tudo o que tenho nas tuas mãos, porque vou partir para salvar a minha alma”. Ouvindo estas coisas ditas pelo seu pai, a menina disse-lhe: “Pai, desejas salvar a tua própria alma e ver a minha destruída? Não sabes o que diz o Senhor? Que o bom pastor deu a sua vida pela sua ovelha?” E ela disse-lhe novamente: “Aquele que salva a alma é igual ao que a criou”.

Ouvindo estas coisas, o seu pai sentiu remorsos pelas suas palavras, pois ela estava a chorar e a lamentar-se. Então ele começou a conversar com ela e disse-lhe: “Filha, o que é que faço contigo? És uma mulher e eu desejo entrar num mosteiro. Como é que podes, então, permanecer comigo? Pois é através dos membros do teu sexo que o diabo guerreia os servos de Deus”. Ao que a sua filha respondeu: “Nem por isso, meu senhor, pois eu não entrarei no mosteiro como dizes, mas irei, primeiro, cortar o cabelo da minha cabeça e vestir-me como um homem e então entrarei no mosteiro contigo”.

Matta el Meskin – Comunhão no Amor

A nossa comunhão é com o Pai
e com o Seu Filho, Jesus Cristo (1 Jo 1,3) 

A relação entre o dom do Pentecostes e a Ascensão de Cristo

Quando eu for, enviar-vos-ei o Consolador (Jo 16,7).

Esta frase do Senhor indica que o envio do Espírito Santo no Pentecostes e a transmissão da unção do Pai, através do amor e da adoção, na comunhão de uma vida eterna com Ele, dependiam do retorno do Filho para junto do Pai. Isso comportava a realização da Sua missão: uma nova humanidade, redimida e tornada perfeita, posta na posição de reconciliação com o Pai através do lugar de honra que Cristo obteve para nós à direita da glória, nos céus.

Tendo assim completado a Sua missão, tendo satisfeito toda a vontade do Pai com relação a nós e tendo removido todo o obstáculo que impedia uma vida sem mancha com o Pai, como consequência, Cristo obteve para nós a promessa do Pai, em virtude de estar sentado à Sua direita, como intercessor em favor da humanidade exilada na terra. Daqui nascem as palavras de Pedro no Pentecostes: “Elevado, portanto, à direita de Deus e depois de ter recebido do Pai o Espírito Santo que Ele tinha prometido, derramou-o, como vós mesmos pudestes ver e ouvir” (At 2,33).

Paulo revela-nos a ligação essencial entre a ascensão de Cristo e o Seu sentar-se à direita do Pai, de um lado e, do outro, a realização de uma humanidade cheia do Espírito Santo para entrar na autêntica comunhão levada à realização por Cristo, no céu: Ele subiu acima de todos os céus, a fim de que pudesse encher todas as coisas (Ef 4,10). As palavras “para que pudesse” demonstram que a ascensão de Cristo constituía o início, a causa principal e eterna para a realização da plenitude da humanidade em comunhão com Deus. É o que se exprime também no versículo: “Jesus entrou como precursor, para nosso proveito” (Hb 6,20).